Entrevistas

29 - "Marjorie Rieu ao telefone"

Entrevista via rádio, realizada de Tóquio, por Daniel Dekker, em 01 de novembro de 2004, durante turnê de André Rieu e sua orquestra pelo Japão.

Tradução: Sonja Harper/MérciaCosac

Nota de Sonja: "Desde que eu deveria fazer o "download", a fim de ouvir a estação de rádio da TROS, tive que me levantar às 3 horas da manhã e ouvir ao último dia de transmissões da TROS, com André em Tóquio. Eu o ouvi, em uma pequena entrevista, e ele falava sobre a experiência que tiveram com furacões e terremotos, enquanto estavam no Japão.

Quanto à entrevista com a Marjorie, ouvi, na pequena entrevista, o repórter Daniel Dekker dizer a André: "Consegui, secretamente, o número do telefone da Marjorie, e vou ligar para ela mais tarde."

André perguntou quem havia dado o número a ele, e Daniel respondeu que o tinha tirado do bolso de André, enquanto estavam em um bar na noite anterior.

Não penso que André precise de ter o número do telefone de sua esposa em um pedaço de papel, para se lembrar.

Quando ouvi que a Marjorie seria entrevistada mais tarde, rapidamente peguei meu gravador, e gravei a entrevista; isto foi feito pela Internet, e de vez em quando ela está interrompida. Por isso aqui e ali, precisei adivinhar algumas das palavras.

Quando Daniel fez a primeira ligação, a linha estava ocupada.

Seria André, avisando-a sobre a chamada?

Mas, pouco depois, ela atende ao telefone, depois de tocar por duas vezes.

"Marjorie"

(Ela parece amigável e relaxada).

Aqui é Daniel Dekker, em Tóquio com André, e isto é fantástico! Como vai?

Bem, obrigada.

Talvez seja uma pergunta tola, mas está sentindo falta dele?

Sim, claro; é óbvio... Muito!

É possível que você pense..."Paz e tranquilidade...", enquanto ele está fora por algumas semanas.

Sim, nos primeiros dias após a partida do grupo, todo mundo fica até um pouco aliviado, porque os dias que antecedem uma turnê são muito estressantes; ter certeza de que todos têm seus vistos e permissão de trabalho em ordem, e tudo o mais.... Assim, nos primeiros dias, todos ficam realmente aliviados, e também aproveito para fazer muitas outras coisas; nunca fico entediada.

Eu já ia perguntar-lhe sobre isso; quem sabe, após alguns dias, você pensasse: "Agora posso me dedicar a fazer algumas coisas de que gosto...."

Costumo agir dessa maneira, quando André está fora por um longo período. Uso meu tempo para mim mesma; para fazer coisas, que de outra forma, não teria tempo.

Posso saber o que, por exemplo?

Gosto muito de estudar; porém não tenho muito tempo para fazê-lo; e então quando André está em viagem, eu costumo fazer alguns cursos fora do país. Desta vez, não o fiz por força das circunstâncias, mas normalmente, costumo viajar por uma ou duas semanas. E é muito agradável.

Por outro lado, cuido para que o "circo" por aqui continue funcionando. Nossa empresa é um pequeno circo familiar; somos uma grande família, e vejo as coisas assim: "André está fora com os mais velhos, e mamãe aqui tem de cuidar dos pequeninos. (risos).

Vocês dois realmente formam um time bastante unido; já estão juntos por 29 anos, e sempre estiveram juntos em tudo.

Sim, construímos a empresa juntos; a orquestra, e toda a parte musical, desde o comecinho; desde 1978, quando foi criada a Maastrichts Salon Orkest; é um longo tempo!

Dizem que vocês dois são tão unidos, que nem luz passa entre vocês; é verdade? (Marjorie ri); que vocês dois estão costurados com o ponto bem apertado.

Sim, é verdade.

É muito bom que ele toque violino; mas agora quero lhe perguntar algo diferente: tenho certeza que você está envolvida em tudo....

Sim, e gosto muito; por exemplo, conheço pessoas que abriram uma padaria juntos; ou um pequena mercearia ou qualquer outra coisa; e é a vida deles. É assim que coloco as coisas... espero que ele não fique ofendido. (risos).

Que ele não lhe ouça; uma pequena mercearia... (risos); uma mercearia com violinos e uma orquestra!

Eu nunca desejaria estar no palco; não teria nada a fazer ali; nada tenho a procurar no palco. Mas, em compensação, gosto muito, não só da parte empresarial, como também do lado artístico. Sempre adorei música; por toda minha vida. E sempre tive uma vaga impressão de que algum dia iria me casar com um artista; eu pensava que seria com um ator ou um escritor, mas veio a ser com um músico...Muito bom! (risos)

Seu filho Pierre também está envolvido em todo esse circo.

Sim, e ele adora; os dois garotos sempre gostaram, desde que eram muito pequenos. A música que André toca é muito cativante; cativa muito as crianças; e as nossas crianças gostaram dela desde os primeiros dias; sempre iam conosco aos concertos. Marc foi conosco, ainda bebê, a um dos primeiros concertos; ele também nasceu em 1978. Lembro-me até hoje de estar sentada com o carrinho de bebê balançando para lá e para cá, ao som da música.

Era bom, não era?

(Marjorie ri e diz, "sim, sim".).

Você já assistiu a algum concerto aqui no Japão?

Não, no Japão não. E isto realmente vai acontecer algumas vezes. Nem também na América. Mas na Europa, eu os acompanho muitas vezes. Principalmente quando estamos organizando novos programas, eu os acompanho bastante.

(Nota de Sonja: Marjorie estava em Kerkrade, eu a vi nos bastidores, trabalhando, com um "notebook", e ao telefone).

Juntos, nós traçamos os planos para um novo repertório; escolhemos as músicas, a decoração, os vestidos, etc...

E você também escreveu uma linda letra; acho que foi em 2003... uma linda letra: "Please don't Go".

Oh, sim, e você gostou dela; muito obrigada.

(Ela se mostra bastante modesta e agradecida).

Escrevi uma outra também; para "Sakura". Logo ela será apresentada na TV alemã; a letra será em alemão, naturalmente. Sim, eu gosto de escrever letras.

Ótimo! É muito bom, com certeza. E agora que você está presente... sugiro um motivo para você vir junto no ano que vem, quando completarão 30 anos de casados. Naturalmente que você não pode ....

Juntos, no Japão?

Sim, naturalmente, vocês farão trinta anos de casados, e não podem ficar separados por tanto tempo...

Sim, mas André deseja manter o..., pode-se dizer os negócios; os concertos; as turnês; ele quer manter isso tudo estritamente à parte de sua vida privada. Ele não... pediria que eu o acompanhasse ao Japão; ele realmente não iria visitar os templos comigo durante o dia, e depois se apresentar nos concertos à noite.

Posso organizar tudo para você, e ele terá que fazê-lo.

Não, não... não vai funcionar; ele já disse isso em algumas entrevistas, e é verdade. Ele é muito disciplinado, e é necessário que seja assim para conseguir manter esse ritmo de vida. Ele é disciplinado também quando está em casa. Ele estuda frequentemente; levanta-se sempre cedo; vai para a cama na hora certa...

Talvez ele não goste que você esteja sempre junto dele, já que é bastante crítica.

Sim, mas ele não se importa com isso; pelo contrário, ele gosta de saber o que penso sobre as coisas. O que, aliás, tem muita lógica; nós desenvolvemos os planos juntos, e os esmiuçamos por um longo tempo até nos darmos por satisfeitos. E então eu me afasto. Mas, mesmo assim, se for necessário que eu diga: "Penso isso, ou penso aquilo", ele não verá isso como uma crítica, mas sim sob o ponto de vista de que estamos elaborando um produto juntos; que nós dois queremos que tudo fique perfeito.

Caros ouvintes das horas de ouro, é inédito neste momento: temos Marjorie Rieu ao telefone. (Marjorie ri).

É verdade que você nunca dá entrevistas?

Já o fiz algumas vezes; escrevi um livro sobre André há alguns anos, e tenho dado algumas entrevistas pelo rádio. Porém, prefiro ficar apenas nos bastidores... com todas as suas vantagens. Levo, na medida do possível, mais ou menos a minha própria vida, e quero que continue assim.

Assisti ao concerto no Japão, e foi uma apresentação perfeita; creio que você o desenvolveu junto com o André.

Sim, eu o assisti durante todo o ano: França, Bélgica, Alemanha, Suíça, Áustria. Já assisti a tantas apresentações, que tenho a total confiança de que está perfeito, e Pierre, naturalmente, é também agora uma grande parte do show. E este é um sentimento maravilhoso, exceto por aqueles terremotos, que me deixaram muito nervosa...pffffft!

Sim, também fiquei muito nervoso; tenho que admitir. Tive de vir ao Japão... mas tudo terminou bem. Pierre está sentado aqui em frente e ri; e ele lhe envia seu amor.

Oh, sim.... obrigada; dê-lhe um beijo por mim.

Sim, eu o farei... agora... apesar de que você fará isso pessoalmente depois deste fim de semana. E está tudo bem com todos eles!

E gostei muito de conversar com você.

Sim, também gostei.

O que você vai fazer hoje, posso perguntar?

Vou trabalhar. Estou no escritório, e esta tarde vou ao estúdio. Estamos muito ocupados com o novo DVD; com os posters; com o programa da nova turnê...

Vou estar ocupada com essas coisas.

E pegar o seu telefone, pois sei que depois do concerto, ele sempre liga para você.

Sim, e também antes do concerto; e depois do teste de som; e depois do jantar, quando então ele vai tirar um cochilo.

Antes de ir dormir ele sempre me liga também; e depois do concerto....

Se falar com ele antes de mim, dê-lhe um alô por mim; quero lhe agradecer muitíssimo por esta conversa.

O prazer foi meu.

Tenha um bom dia.

E você também.

Obrigado, e até logo.

Até logo.

Marjorie Rieu ao telefone aqui no Japão...isso foi inédito; e foi ótimo!”