Entrevistas

19 - “Meus receios” e “O Sucessor”

Esta página contêm duas entrevistas, obtidas de revistas de fofocas da Holanda e Alemanha; Sonja Harper chama a atenção para esse fato, mas diz que as traduziu porque lhe pareceu que são palavras que André poderia eventualmente ter dito, mas que fossem lidas com certa reserva quanto à sua autenticidade (leia as notas de Sonja, adiante).

19.1 - "Meus receios"

À Revista " Stars und Melodien", janeiro de 2006

Tradução: Ineke Cornelissen/ Sonja Harper/MérciaCosac

Nota de Sonja: "Ineke foi muito gentil em me enviar este artigo e também traduzi-lo para nós. Porém quero deixar claro que se trata de uma revista de enfoque sensacionalista. Muitas das matérias que traduzo contêm textos ditos explicitamente por André, o que é preferível; no entanto, penso que este é um artigo diferente da maioria dos outros, e me parece que seriam coisas que ele diria. Assim, desde que as duas traduções desta página provêem desse tipo de revista, devem ser vistas com reservas."

“A maioria das pessoas não gosta de pensar em coisas negativas, como doenças ou morte. André Rieu sabe de seus receios e prefere tomar suas precauções.

O líder da orquestra é um homem otimista; conversa bastante com os membros da sua orquestra, e sempre toma um tempo para contatos telefônicos com sua família, em casa. Mas, André é também uma pessoa franca, que pensa sobre a vida e a morte.

No caso de uma doença séria, o astro não quer sofrer por longos períodos; e uma de suas preocupações é a sua orquestra.

“Tenho medo de doenças; se eu ficar doente, certamente haverá grandes consequências sobre os membros da minha orquestra."

Corajosamente, ele diz:

Estou sempre atento ao meu corpo, e vivo de um modo muito saudável, e em harmonia comigo mesmo. Assim, espero que nada me aconteça. A responsabilidade não me permite ficar doente. Em minha orquestra, a porcentagem de doenças é zero, não mais do que isso.

O que você receia mais do que tudo?

A doença de Alzheimer, ou um tumor.

O "Rei da Valsa", 56 anos, e sua esposa Marjorie (58), fizeram um pacto há muito tempo atrás.

Doaremos nossos órgãos, após a morte, para fins científicos, ou para transplante.

Se sua esposa sofresse um acidente sério, e se não houvesse esperança de vida, ele pediria aos médicos que desligassem os aparelhos que a mantivesse viva; Marjorie faria o mesmo por ele: uma promessa feita por amor.

É nosso desejo que nem André, nem Marjorie, jamais tenham de cumpri-la!”

19-2 - "O sucessor"

Matéria publicada na revista "Story", em sua edição de fevereiro de 2006, enviada a Sonja por Monique Hoogzaad.

Tradução: Sonja Harper/MérciaCosac

Nota de Sonja: "Esta matéria foi publicada por uma revista sensacionalista holandesa, enviada a mim por Monique. O repórter que a escreveu, entrevistou André durante as gravações realizadas pelo canal de TV TROS. O repórter falou um pouco sobre como estas revistas costumam realizar suas matérias, e afirmou que quando não há notícias sobre alguma celebridade, e se o público estiver interessado naquele artista, de duas, uma, ou se obtém alguma notícia, ou se inventa alguma coisa."

“Não importa quanta energia o violinista André Rieu ainda pareça ter, ele já está próximo dos sessenta anos; tempo de delegar algumas de suas tarefas: seu filho Pierre agora é quem cuida da administração de seus negócios!

No interior da Mongólia a fama de André Rieu pode eventualmente desapontar, mas no resto do mundo existem poucas pessoas que nunca ouviram seu nome.

O violinista vende milhões de CDs, em todo o planeta, e se apresenta regularmente com seu Stradivarius em programas de TV, da Coréia a Nova York.

André e sua orquestra são uma atração bem conhecida; André tornou-se um multimilionário,

Nota de Sonja: Há apenas poucos anos, todas as revistas estavam publicando que ele estava indo à falência....então tire suas conclusões; ele pode estar perdendo o fôlego, mas ainda assim, precisa sustentar 130 pessoas e bancar todas as despesas para manter sua empresa funcionando.

O violinista André Rieu tornou-se o sustentáculo de um império, cuja fortuna vem não apenas da venda de CDs, DVDs e concertos, mas também de diversos outros produtos idealizados pelos Rieu. André envolve sua família em tudo que faz.

“Junto com minha esposa Marjorie, que gerencia e organiza muitas coisas para mim, nós formamos uma família de empresários, e empregamos 130 pessoas.”

Seu irmão Jean-Philippe escreve textos, e seu filho Pierre não só organiza as coisas por trás das cenas, como produtor, mas ainda participa da orquestra de seu pai, integrando a seção dos instrumentos de sopro, em eventuais substituições, quando algum dos músicos adoece.

Somente seu filho Marc não trabalha para a empresa dos Rieu. Marc estuda História da Arte, e é o único que não está diretamente ligado ao produto André Rieu.

Com o mesmo visual surpreendente de seu pai, e mostrando interesse especial pelo glamour do mundo do "show-business", é muito provável que Pierre venha a ser o sucessor de seu pai. É verdade que ele não é um violinista, mas talvez venha a ter a platéia a seus pés tocando trompete nos concertos.

No entanto, André pretende ainda manter os louros da glória para si, por vários anos.

Durante um intervalo, em sua turnê pela Alemanha, ele apresentou-se no festival de música do canal de TV TROS, realizado no Estádio Heereveense Thialf (ringue de patinação de classe internacional, na Holanda), vindo em seu ônibus "Strauss-mobile" , diretamente de Oberhausen, juntamente com toda a sua orquestra.

Não importa onde se apresente, sempre que possível, ele faz as refeições em casa, junto com sua família; para isso conta, além do ônibus, com dois aviões particulares: um Fokker F-27, para os deslocamentos com a orquestra, e um outro, menor, um Cessna Citation.

Quanto mais longe, e com mais frequência, estou fora de casa, maior é o meu desejo pela convivência familiar. Minha idéia fixa é nunca estar fora de casa por mais de três semanas, quando nos apresentamos no exterior. E, quando nos apresentamos na Europa, quero estar em casa para as minhas refeições!

Apesar de gostar do "champagne" e do caviar oferecidos nas festas de gala, prefiro comer “andijvie” (espécie de chicória) acompanhada de deliciosas bolinhas de carne típicas dos holandeses!