Entrevistas

10 - "André e Pierre Rieu"

À revista "Stars und Melodien", Austria, em junho de 2002

Tradução: Sonja Harper/MérciaCosac

“Sua empresa torna-se cada vez mais um negócio em família. Além de seu irmão Jean-Philippe, desde o início dessa temporada de concertos seu filho Pierre passou a ser também um de seus empregados. "Starsund Melodien" conversa com pai e filho sobre crises, recomeços e mudanças.

Pierre, você começou a estudar Direito; porque interrompeu seus estudos?

Eu realmente estava gostando de estudar Direito, mas descobri que o trabalho durante as turnês é ainda mais agradável. E assim, agora trabalho como gerente de produção junto com meu pai; e é o trabalho dos meus sonhos.

Qual é exatamente o seu trabalho?

Tenho a responsabilidade de gerenciar toda a parte de organização dos concertos, bem como a montagem e desmontagem do palco.

(André observa que Pierre tem 46 pessoas sob sua responsabilidade)

Sr Rieu, sua empresa está tornando-se cada vez mais um negócio em família; seu irmão Jean-Philippe dirige seus concertos e a produção dos seus vídeos.

E não se esqueça de minha esposa Marjorie; a cooperação dela é a base da minha carreira. Por dezoito anos ela me ajudou a desenvolver esta empresa. Nossos filhos eram ainda muito pequenos; bebês, ainda, e nós dois já fazíamos tudo em conjunto. Naquela época, ainda não havíamos vendido um CD sequer, e as turnês eram realizadas apenas na Holanda

Quando nosso sucesso aumentou, minha esposa preferiu ficar menos visível aos olhos do público.

Por que?

A intenção dela era abrir caminho para para que eu pudesse apresentar-me nos programas de TV, pois sem isso, ninguém iria conhecer-me. Isto significava colocar-me onde, efetivamente, ninguém queria me dar a oportunidade de estar. Dessa forma, todo o esforço realizado por ela para auxiliar a construir minha carreira trouxe-lhe muita satisfação.

Ela não trabalha mais para a empresa?

Sim; mas não tanto como antes; e exclusivamente como uma conselheira, nos bastidores. Por exemplo, justamente agora temos uma reunião muito importante para o nosso futuro, em Hamburgo. E, naturalmente, ela está aqui para participar. Além do mais, de uma forma ou de outra, estamos sempre trabalhando em conjunto; até quando saímos para um passeio falamos sobre música.

São conversas sobre novos projetos?

Sobretudo quanto às grandes linhas da minha carreira; que música vamos escolher para o novo CD; em quais programas vamos nos apresentar, etc. A opinião de minha esposa sobre essas coisas é muito importante para mim.

Você se envolve pessoalmente com tudo o que acontece no palco?

Tudo que faço no palco é planejado anteriormente; envolvo-me com tudo; quero estar a par de tudo, e ainda inspeciono tudo.

Pierre, parece que seu pai é um perfecionista; ele é muito exigente?

Sim, mas entendo o porquê: o concerto é dele. Se ele tem uma determinada idéia em sua cabeça, naturalmente que deseja que ela seja concretizada.

Pierre, seu pai é muito rígido com você?

Não, realmente penso que não.

(André questiona:"Realmente pensa que não?", e Pierre responde:"Não, você é muito mais rígido como patrão")

Pierre, quando está em viagem com seu pai, sua mãe fica inteiramente só, em casa?

Com meu cachorro. (risos) Claro que não é sempre assim, pois, de qualquer forma, eu ainda vivo em casa. Tenho minha própria casa, mas nunca fico lá; não gosto de estar só.

O apresentador dirige-se a André:"Então sua esposa deve ficar muito solitária em casa"

Tenho de contar uma história; houve um período em nosso passado em que tudo parecia muito difícil; eu nunca tinha passado uma noite fora; voltava sempre para Maastricht após cada concerto. Até chegarmos ao ponto em que saio em turnês por três semanas, tudo era muito difícil; ambos trabalhamos duramente para construir a minha carreira, e, quando, enfim, veio o sucesso, senti que nós dois estávamos sendo penalizados por isso. Contudo, vamos convivendo com a situação... Além do mais, alguém tem de tomar conta da família, em casa.

Pierre complementa, dizendo:"Mas, agora, eu também fico fora por duzentos concertos ao ano; ela não tem que tomar conta mais de mim."

Então sua esposa os acompanha...

Marjorie já faz seus planos nesse sentido; não acontecerá sempre,mas ela virá conosco muitas vezes.

Pierre diz que sua mãe agora tem mais tempo livre, e que adoraria se ela estivesse sempre com eles; André interfere, dizendo:"Um momento:sempre não; isto não funciona. Ela tem um ritmo de vida totalmente diferente, e não pretende mudá-lo; mas, de vez em quando, seria muito bom"

Porque não todo o tempo?

Sei disso por causa do meu pai, que era maestro. Quando um grande astro solista se apresentava com ele, era sempre a mesma coisa: o grande artista estava no palco, e a sua sombra estava a quatro metros por trás dele, carregando o estojo do seu violino. Não quero esse papel para minha esposa; não quero ter uma esposa que seja apenas a minha sombra.

Pierre, seu pai é constantemente acusado de ter casos extraconjugais; como você convivia com este fato, em criança, quando ouvia ou lia algo sobre isso?

O mais importante era que, em casa, nós sabíamos a verdade; o que realmente havia acontecido; que nem tudo que se lia era verdade; e se alguém me perguntava alguma coisa sobre o assunto eu questionava mais sobre ele do que sobre o meu pai.”