As Letras das Músicas

do repertório de André Rieu

50 – Gaudeamus Igitur

A composição "De Brevitate Vitae" (Sobre a brevidade da vida), mais conhecida como "Gaudeamus igitur", é uma canção acadêmica reconhecida como o Hino Acadêmico por toda a Europa, e frequentemente interpretada em cerimónias de graduação.

Apesar do uso formal, é um hino jocoso, alegre, que brinca com a vida universitária. A canção remonta a 1287 e já era conhecida ao tempo da fundação da alma mater de todas as universidades europeias, a Universidade de Bologna. É usada também como hino oficial ou semi-oficial de inúmeras universidades e escolas, colégios, liceus e sociedades estudantis.

A letra celebra a boemia da vida universitária mas, ao mesmo tempo, mantém o constatação de que, um dia, todos morreremos. Contém referências ironicas e humorísticas, e algumas das versões que foram conservadas revelam censuras que foram feitas para permitir a apresentação em cerimônias públicas. Os estudantes, de sua parte, conhecem e cantam versões, diga-se, mais "apimentadas".

Johannes Brahms cita o hino na seção final de sua "Abertura do Festival Acadêmico". Sigmund Romberg usou-o na opereta O príncipe estudante, ambientada na Universidade de Heidelberg, Alemanha.


“ Gaudeamus Igitur” 

(provavelmente a letra original em latim) 


Juvenes dum sumus.
Gaudeamus igitur
Juvenes dum sumus.
Post jucundam juventutem
Post molestam senectutem
Nos habebit humus.
Nos habebit humus.

Vita nostra brevis est
Brevi finietur.
Vita nostra brevis est
Brevi finietur.
Venit mors velociter
Rapit nos atrociter
Nemini parcetur.
Nemini parcetur.

Vivant omnes virgines
Faciles, formosae.
Vivant omnes virgines
Faciles, formosae.
Vivant et mulieres
Tenerae amabiles
Bonae laboriosae.
Bonae laboriosae.

Vivat academia!

Vivant professores!
Vivat academia!
Vivant professores!
Vivat membrum quodlibet
Vivant membra quaelibet
Semper sint in flore.
Semper sint in flore.

Gaudeamus Igitur foi apresentada pelos tenores que acompanham a JSO há algum tempo, em seus concertos: “The Platin Tenören”, durante as gravações para o DVD “Ich hab mein Herz in Heidelberg verloren”, em 2009, ao que parece no pátio da Universidade de Heidelberg.